domingo, 19 de setembro de 2010

Vida qualquer coisa (Uma bobagem em homenagem à Alice Ruiz)

Qualquer coisa que se sinta
Deve ter um remédio que te sirva
O psicólogo vai te dizer
Que não é assim que deve ser
Tantos sentimentos não deixam você viver
Amar, por quê?
Tome fluoxetina
Sofrer não tem fim?
Tome Valium
E também me prescreva Ritalina
E muitas sessões de terapia
Um emprego melhor paga um especialista
Mais grifado
E assim, dopado
Ele irá te dizer como sua vida deve ser
Já que você não sabe mais como viver
Sendo você com você
E os outros vão te apoiar
A se unir ao exército de zumbis
Terapeutizados
Uma vida uniforme
Para pessoas que não se amam
Não se odeiam
Nem se importam
Não choram
Nem protestam
Não se indignam mais
Elas apenas desejam a nova fórmula
Que as faça não sentir
Apenas o nada
Nada
Nada
"The horror! The horror!"

2 comentários:

Ministério disse...

Amigas trocam segredos e conselhos. Confira esta história: http://bit.ly/dVGkj4 #fiquesabendo

Conheça a Campanha contra a Aids deste Carnaval: www.camisinhaeuvou.com.br
Siga-nos no Twitter e fique por dentro: www.twitter.com/minsaude
Para mais informações: comunicacao@saude.gov.br ou www.formspring.me/minsaude
Obrigado,
Ministério da Saúde

Eduardo Stelmack disse...

Faltaram a Paroxetina e Rispiridona...hehe
Afudê.
Se quiser dar uma passada no meu, é espasmos-multiplos.blogspot.com